Corrosão Temporal


O tempo em que os blogues eram uma janela aberta ao mundo da comunicação, em que cada um publicava aquilo que lhe ia na alma e mostrava os seus dons para a escrita é um pouco passado. Tudo na vida tem o seu espaço, prazo de validade e ou utilidade. Há produtos que hoje estão no TOP de vendas e amanhã são monos.
O “SIDADANIA” , tal como foi concebido, não foge à regra. A sua decadência acompanha a da “SIDA”, que outrora foi estrela no palco das calamidades globais e preenchia os títulos de todos os meios de comunicação de massas. A notícia era procurada, como se fosse ouro de garimpo, em jazida recem descoberta. O “El dourado” dos média . A exposição de um seropositivo ao público sedento de conhecer o rosto da “Sida” era uma pepita enorme. Um seropositivo com uma máscara veneziana branca era uma pepita menor, mas importante. O paraíso de toda a macacada em recinto de Jardim zoológico, em que pessoas infectadas por uma doença eram espécies raras em exposição.
O projecto deste blogue continua. Melhor falando o projecto “SIDADANIA” deixou apenas de ser um blogue, embora este blogue faça parte desse projecto. É pouco visível o trabalho do “SIDADANIA” em formato blogue, mas continua a ser um lugar de registos de vida.
É importante ter uma causa para a vida e a minha causa chama-se “SIDA”. Mais importante é ter vida e a vida não é só Sida, embora seja algo importante na mesma. Há trabalho de bastidores a ser feito e esse trabalho não se reduz apenas a encorajar os recem infectados e ensiná-los a viver uma nova vida face à infecção.
É importante acima de tudo, renascer, adquirir conhecimento e deixar registos de uma efémera passagem por este mundo. É isso que estou a fazer neste momento.
Tento agarrar o tempo que não tenho, fluindo através do mesmo. Vivo a vida em reflexão do passado reconhecendo erros cometidos e tentando em cada um deles aprender uma lição. Seguro nas mãos o presente com todas as forças para que ele não se escape, esforço tenaz e vão, já que o mesmo é arrastado na corrente que dita o futuro.
Sou ave em voos de longo curso, que de quando em vez por aqui pousa, deixando marca, já que aqui me é berço e útero de mãe.
Um abraço àqueles que por aqui pararem.

10 comentários:

Maria Dias disse...

Oi,

Eu sempre tive carinho por você(por vocês)do SIDADANIA mesmo quando a SIDA era só informação... Sabe, sempre gostei de vir aqui não por curiosidade mas para estar perto. Não sei porque mas me sentia bem por aqui. Com o tempo comecei a ler vocês...E achava importante todo este trabalho e carinho com as pessoas q aqui pousavam.Bem, é sempre muito bom ler você e se esttá trabalhando em uma causa nobre como esta torço para q tenhas sucesso.

Um grande abraço

Maria

P.s.Eu sei q os blogs estao meio fora de moda mas como não sou guiada pela moda eu continuo por aqui.

sideny disse...

Ola Raul

Ainda bem que continuas a fazer o teu trabalho no terreno com os mais novos e recentes casos, eles precisam de ajuda e apoio.

Mas nâo te esqueças que por aqui também faz falta informaçâo, por isso continua aqui também.

Ainda bem que esta tudo bem contigo, li no post anterior.

beijocas e tudo de bom para ti:))

Estou como a Maria nâo me guio pela moda, e tu já sabes isso também;)

Fatyly disse...

e eu parei a ler e é bem verdade tudo tem o seu tempo e aproveita o teu tempo da melhor maneira.

Um abraço

M. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Odele Souza disse...

Raul,

Um pouco por causa das redes sociais, Facebook, Twuiter, um pouco pelo cansaço, os blogs estao sim se esvaziando. Já não se publicam como antes e as visitas vão ficando cada vez mais raras. Mas pelo tempo que duraram, acho que valeram bastante a pena os blogs. Eu insisto e resisto no blog de Flavia. Até quando, não sei.

Hoje, passei por aqui para matar um pouco desta saudade que tenho de ti.

M. disse...

não há decadência para o Sidadania, ele é da eternidade e será sempre o princípio de alguém. Outras coisas há a fazer. Bora lá que eu sigo-te, como sempre.

por aí, para esse lado já fomos.

beijo R.

São disse...

Recuso-me a crer que nos abandonas sem mais nem menos!

Já leste o diálogo da raposa e do príncipe?

Um saudoso abraço.

maria josé quintela disse...

beijo.

maria josé quintela disse...

beijo.

Ana Ramon disse...

Olá Amigo. Passei por este seu cantinho para agradecer as simpáticas palavras que dedicou ao Mário que continua muito emocionado com o carinho recebido por tantos amigos.
Não conhecia este seu blogue e vou começar a ler os seus textos.
Espero que tudo continue bem como até aqui.
Beijinhos