The Show Must Go On


Nasceu como Faroukh Bommi Bulsara, a 5 de Setembro de 1946, em Zanzibar (actualmente parte da Tanzânia). Seus pais, Bomi e Jer Bulsara, eram persas. Na escola os colegas chamavam-lhe Freddie, nome que a família acabou por adoptar. A música a que tinha acesso era principalmente indiana, mas também ouvia algumas obras de origem ocidental. Cantava sozinho e preferia a música às actividades escolares. Aprendeu a tocar piano. Tornou-se também membro do coral e participava regularmente nas produções teatrais da escola. Adorava as aulas de piano e empenhou-se com determinação. Em 1964, muitos dos britânicos e indianos, devido a distúrbios políticos, deixaram Zanzibar. Entre os que saíram, encontravam-se os Bulsara, que foram para Inglaterra. Freddie tinha 17 anos e decidiu que queria ir para uma faculdade de Arte.

Graças ao seu histórico e às suas habilidades naturais garantiu o acesso à Faculdade Ealing de Arte e em Setembro de 1966 iniciou um curso de Ilustração gráfica. Um dos colegas de curso foi o baixista Tim Staffell, de quem se tornou grande amigo. Assim que sua amizade com Tim aumentou, Tim levou-o para participar nos ensaios de sua banda chamada Smile.

Apesar de Freddie gostar do som da banda, estava comprometido com os seus próprios projectos e participou ora como vocalista, ora como guitarrista em outras bandas até Abril de 1970, quando a banda Smile foi reformulada e Freddie assumiu-se como vocalista. Decidiu mudar o nome da banda para Queen, e alterou o seu apelido para Mercury.

Mercury (mercúrio) foi escolhido, reza a lenda, por dois motivos: por ser o deus dos mensageiros e por ser o planeta do seu signo ascendente. Também em 1970, conheceu Mary Austin, com quem viveu durante 7 anos. Mantiveram-se bons amigos até ao final de sua vida. A casa de Freddie em Londres é hoje de Mary Austin.

Além do sucesso espectacular com a banda Queen, Freddie teve também a solo grandes sucessos, dos quais, Barcelona, Álbum e Mr. Bad Guy, são prova inequívoca disso.

Em 24 de Novembro de 1991, faleceu em sua casa em Londres, vitima de pneumonia provocada pelo vírus da imunodeficiência humana, um dia após ter declarado publicamente que era portador do VIH e que se encontrava severamente doente. Pouco antes de morrer, Freddie define-se nas seguintes palavras:

"Você é a ultima pessoa com quem falo... provavelmente vai ter a melhor entrevista, meu caro. Não quero mudar o mundo. O que mais me importa é a felicidade. Quando estou feliz, a minha felicidade reflete-se no meu trabalho. No final, os erros e as desculpas são minhas. Gosto de sentir que sou honesto. No que me compete, quero aproveitar a vida, a alegria, a diversão, o máximo que puder nos anos que ainda me restam. Pronto, já gravou? Agora, use. Foi o mais perto que cheguei a emocionar-me numa entrevista."

Foi cremado e não existe um túmulo para que os fãs possam visitar. Em 1992 foi erguida uma estátua em sua homenagem em Montreux, na Suíça.

Freddie nunca soube conduzir um automóvel. Tinha uma paixão peculiar por gatos. Realizou o seu maior sonho, o de cantar com Montserrat Caballé, em 1988, com o álbum Barcelona. A banda Queen jamais viajava junta de avião. Dos quatro integrantes, viajam de dois em dois em aviões separados, pois se o avião caísse, a banda poderia continuar com os outros dois integrantes.

The show must go on, e nós, prolongaremos a tua existência, enquanto nos for permitida prolongar a nossa, e estarás sempre vivo e presente nos blogues Sidadania, para os quais trabalhamos sempre e também em tua homenagem.

39 comentários:

Fatyly disse...

Como eu gostava dos Queens e Freddy era excelente. Lia tudo sobre o seu percurso e como me comovi ao ver na televisão o seu último concerto, já num estado bastante débil.
Puxa já se passaram 17 anos...

Foi um campeão...

f@ disse...

Olá Paulo...
belo post que me deixou sem palavras... com uma música de fundo que não se descreve...
sempre vivo...pelo ser humano e pelo génio e talento únicos...

Beijinhos das nuvens

sideny disse...

paulo
Como eu gosto dos queens,aquela voz
de freddy chega-me a arrepiar quando oiço os seus albuns.
Os seus concertos lindos ,e cheios de talento que so ele sabia tansmitir, ele continua sempre vivo,por tudo aquilo que foi.
Adorei este post.
beijocas

Coragem disse...

Estará sempre vivo também, no Riscos de vida, mas muito mais no meu coração.

Freddie, é o meu ídolo há muitos anos, chorei sem vergonha a sua morte, curiosamente logo após ter sabido que o meu irmão era portador de hiv, e tambem ele um enorme fã de queen.

São raras as vezes, que ouço Freddie Mercury, sem que as lagrimas corram pelo meu rosto
Sinto a sua voz, na minha alma...

But...
"The show must go on"

Um beijo Paulo, sempre sincero

Odele Souza disse...

Voz belíssima tinha esse rapaz. Pena que partiu tão cedo. Mas através de sua música permanecerá entre nós.
Abraço.

Paulo disse...

Fatyly

Freddie Mercury ficará para sempre na ausência presente como o sentimos, em nostalgia e saudade.

Um bom fim de semana e...

Um beijinho.

Paulo disse...

F@

Pelo que conheço de ti, só podias gostar não muito, mas imenso do Freddie Mercury...

Obrigado por seres quem és.

Beijinhos nas nuvens.

Paulo disse...

Sideny

Já sabia que gostavas muito de Freddie Mercury...

Pensei nisso enquanto preparava este post.

Beijoka gôda.

Paulo disse...

Coragem

Senti profundamente a veracidade e o sentimento latente nas tuas palavras.

Sinto-te e Sinto-me, em tom de cumplicidade.

Um beijo [sempre] sincero

Paulo disse...

Odele

Partiu cedo, vitima de um virus quase desconhecido na altura, nas garras do qual, se caía desmesuradamente.

Freddie e tantos outros, foram ainda mais vitimas deste virus maldito.

Bom fim de semana.

Um beijinho para Si e outro, do tamanho do mundo para Flávia.

sideny disse...

paulo
tenho outra senhora que adoro onde tive o previlegio de ver o seu ultimo concerto no restelo.
a tina turner.

Paulo disse...

Sideny

Também adoro Tina Turner.

Não tive o privilégio de assistir ao último concerto no Restelo.

:(

Fica combinado que caso ela volte a Lisboa, vamos ambos vê-la, já que não fui a tempo de te poder levar a ver Madonna.

Beijoka e bom fim de semana.

Maria Dias disse...

Oi Paulo...

Freddie Mercury foi um dos mais brilhantes cantores q já existiu.Uma grande perda para o mundo...Muito bom post Paulo!Seria bom vez uma outra postagem sobre artistas q tinham o vírus...Para matarmos nossa saudade.
Tenho esta música aonde ele faz um dueto com Montserrat Caballé(Um show a parte e inesquecível!).Parabéns pela escolha.

Abraços e bom fim de semana para todos.

Coragem disse...

Ora só a mim ninguém leva a ver nada :) Também quero ir...Pronto está combinado...

Paulo disse...

Maria Dias

Adorei o teu comentário assim como a tua sugestão. Parece telepatia e estava para aqui a pensar exactamente nisso mesmo.

Com toda a certeza que assim será.

Existiam também pessoas maravilhosas no Brasil, que sucumbiram perante o VIH, às quais tenho o maior respeito e admiração.

Fica atenta, porque outras homenagens se seguirão...

Beijinho enorme e um bom fim de semana.

Paulo disse...

Coragem

Leva sim! Eu levo! Está mais do que combinado.

É só esperar que cá venham, o que presentemente já não é assim tão complicado.

Vamos sim, com a Sideny também! Vais adorar conhecê-la pessoalmente.

Vou-te buscar, aí!

Um beijo [sempre] sincero.

ManDrag disse...

Salve! Paulo
Singela, mas sentida homenagem, a que aqui prestas.
Live fast and die young! Freddy já não era tão novo assim. Mas viveu com a intensidade da paixão e isso é perene em todos os seus trabalhos.
Atrás de si deixou alguns dos mais belos hinos do Rock. Se a outro chamaram o rei do Rock'n'Roll, Freddy Mercury foi a Queen do Rock.
A sua memória perdurará. "Queen II" e "Sheer Heart Attack" são dois marcos que ditaram as bases dum género musical, que muitas bandas, desde o Metal a outros géneros continuam ainda seguindo.
Bem-hajas, meu querido Amigo, pela homenagem.
Abraço-te, com toda a ternura e cantando como Freddy em "Now I'm Here":
"I'm just a new man; You make me live again!"
Salutas!

ManDrag disse...

Salve! Paulo
Singela, mas sentida homenagem, a que aqui prestas.
Live fast and die young! Freddy já não era tão novo assim. Mas viveu com a intensidade da paixão e isso é perene em todos os seus trabalhos.
Atrás de si deixou alguns dos mais belos hinos do Rock. Se a outro chamaram o rei do Rock'n'Roll, Freddy Mercury foi a Queen do Rock.
A sua memória perdurará. "Queen II" e "Sheer Heart Attack" são dois marcos que ditaram as bases dum género musical, que muitas bandas, desde o Metal a outros géneros continuam ainda seguindo.
Bem-hajas, meu querido Amigo, pela homenagem.
Abraço-te, com toda a ternura e cantando como Freddy em "Now I'm Here":
"I'm just a new man; You make me live again!"
Salutas!

Paradoxos disse...

Poderosa voz - poderosa homenagem!!
Abraços fraternos amigo Paulo!

Paulo disse...

ManDrag

Urge viver a vida sempre com a intensidade da paixão, no usufruir pleno de todos os momentos, porque o tempo voa e mesmo sem asas impera voar, voar sempre...

rumo, também a ti, querido amigo,

que estás aqui, presente, sempre!

Abraço-te ManDrag

Paulo disse...

Paradoxos

Poderosas são sempre e também as tuas palavras, que com amizade nos acrescentas.

Tenho estado em falta no teu espaço, facto que corrigirei tão breve quanto possível.

Um abraço enorme e

Um bom fim de semana!

ManDrag disse...

Ok! Ok!
O álbum "A Night At The Opera" também foi um marco importante na música do século passado.
Mea culpa pela omissão no meu comentário anterior.
Novamente te abraço, meu querido Paulo.
Bom FDS!

mariam disse...

Paulo,
Grande post!
bela e merecida homenagem, àquele, que considero ser uma das "vozes" ..
emociono-me sempre ouvi-lo, "Queen" será uma melhores bandas de sempre.

F.Mercury será sempre um exemplo, na vida e na doença.

a sua voz e a de Monsserat C, deu uma canção fantástica... Barcelona
uma das "músicas da minha vida", como refiro lá no meu cantinho...

Obrigada, por este post.

bom fim-de-semana
um sorriso :)

mariam

Espero que o Raul esteja bem, dê-lhe um abraço sff.

mariam disse...

errata: "Montserrat" :)

MARIA disse...

Olá Paulo,
Ele, Freddie, é para mim uma das personalidades mais fascinantes de todos os tempos.
De vez em quando faço algumas incursões no seu percurso de vida. Quanto mais se conhece dele, maior o enigma.
Ainda ninguém escapa à morte, mas ele venceu a doença. Penso que demonstrou publicamente pela primeira vez como podia ser derrotada, permanecendo igual a si próprio, maravilhoso até final.
Partiu com grande honra.
A mim, francamente, impressiona-me muito, o músico, o cantor, mas particularmente o homem.
Ser-me-ia fácial amar alguém tão extraordinário.
Os meus amigos do Sidadania também acarinho especialmente no coração, ainda que não estando muito presente nos comentários.
Um beijinho especial ao Raúl e boa recuperação.
Para ti também Paulinho, mil beijinhos. Obrigada pelas visitas .
Maria

SILÊNCIO CULPADO disse...

Paulo

Um texto apaixonante sobre Freddie Bommi. Um texto que revela a dimensão humana que as palavras nem sempre conseguem transmitir.
Afinal, Paulo, para ti que andas de avião com o credo na boca, até nem era necessário dividir o grupo em dois aviões diferentes. Porque cada ser humano tem o seu tempo, tal como os produtos têm um prazo de validade. A forma como termina é qualquer uma, pode ser na cama ou a atravessar a rua.
Relativamente à morte pelo HIV, é também uma forma de morte como qualquer outra. Uma forma de morte que a ciência contraria cada vez mais e que acabará por oferecer menos perigo que os acidentes.
Aconselho-te um pequeno exercício para sossegar as inquietações quanto à fragilidade da vida e as probabilidades de certas formas de morte: vê quantas pessoas morreram num ano em Portugal por atropelamento, afogamento em praias e acidentes com veículos motorizados. Vê quantas pessoas perderam qualidade de vida em consequência de muitos destes acidentes. Então verificas que afinal, mesmo sem estarem sinalizadas, as pessoas estão em pleno contacto com a morte. Só que não dão por isso.
Gostei deste post. É lindo pela forte componente humana, artistica e emocional.
Mas, Paulo, há mais vida e há que vivê-la a cada momento saborendo-a devagar e com sabedoria.

Abraço

Isabel-F. disse...

Eu adoro a sua voz ... nunca me canso de o ouvir ... lamento imenso a sua partida ... mas Fred Mercury NUNCA morrerá.

Tenho vários discos com a musica dele ...

beijinhos

M. disse...

Made in heaven

tenho para aqui, mas na memória (felizmente!) está o dueto Mercury/Caballe e isso não me tiram.

e meu Paulo,

ele é uma lenda, claro, mas eu homenageio também os que estão aqui, igualmente heróis que por serem mais anónimos do que o Freddy não são por isso menos importantes. Sabes do que falo? claro que sim. São pedaços de seres inteiros.

beijo.

São disse...

Eis um dos meus artistas preferidos, além de compartilhar a não condução e a intensa paixão por felinos.
Um abraço para vós, PAULO.

Paulo disse...

ManDrag

Sim, fabulosamente fantástico O álbum "A Night At The Opera" !

Obrigado pelo teu apontamento.

Abraço-te ManDrag

Paulo disse...

mariam

Obrigado pela visita e pelo comentário.

Gostei imenso.

Um beijo enorme e uma boa semana.

Paulo disse...

Maria

Obrigado pela visita. Gosto muito de te ver por aqui.

Também nos fascinas com a tua presença.

Mil beijinhos e uma boa semana.

Paulo disse...

Lídia

Gostei muito do Seu comentário que traduz aquilo que já me disse pessoalmente.

Não é por me encontrar "sinalizado" que a causa/efeito se verifique obrigatoriamente.

Obrigado pela força com que me acrescenta.

Uma boa semana e um abraço apertado.

Paulo disse...

Isabel

Sim, Freddie Mercury estará sempre vivo entre nós.

Obrigado pela visita (mais uma, entre tantas) e pelo comentário.

Um beijinho e uma boa semana.

Paulo disse...

M minha

Dizes sempre muito nas entrelinhas.

Obrigado pela parte que nos (te) toca.

Tatuado o beijo e

Uma boa semana para ti.

Paulo disse...

São

Um abraço enorme para ti, pois a tua presença aqui é imprescindível para nós.

Um beijinho e uma boa semana.

Biby disse...

Eu era(e sou) fã dos Queen!
Adorava a voz do Freddie Mercury e sobretudo a sua garra e energia quando cantava em palco. Lembro-me da ultima entrevista que deu e lembro-me de pensar o que é isso do VIH?
Este post foi uma bela homenagem.

Deixo um beijinho ao Paulo para lhe agradecer a sua visita ao meu blog e outro beijuinho especial para o Raul de rápidas melhoras.

Cinda disse...

Olá Paulo, boa noite.
Peço desculpa por entrar sem bater ou pedir licença, mas cheguei aqui pelo blog da Nela.
Já li alguns dos seus textos, mas estec particularmente, diz-me muito.
Os Queen e muito especil Freddie, foram um marco muito grande na minha juventude.
Ainda hoje, sempre que posso revejo e ouço todas as suas músicas e Barcelona não tem como se descrever.
Vou voltar se assim o permitir.
Uma boa semana.

Paulo disse...

Cinda

Muito obrigado pela visita.

Esta porta não tem trincos, nem fechaduras.

Estará sempre aberta para Si também.

Volte sempre, folgamos muito em tê-la por aqui.

Uma boa semana.