Mais 13 anos de esperança de vida ...


Será importante para os infectados pelo VIH/SIDA esta noticia, sobre um estudo que revela que os seropositivos têm em média mais 13 anos de esperança de vida? Penso que não. Mas antes de prosseguir com o meu raciocínio, quero agradecer ao jornalista Vasco Lopes do Notícias da Manhã, por no programa Sociedade Civil da RTP2, ter aconselhado a leitura do "Sidadania".
A mensagem que eu quis passar quando há alguns meses atrás fui entrevistado por ele, ficou gravada na sua cabeça e isso faz a diferença entre um jornalista que apenas está interessado numa entrevista para publicar e a esquece logo a seguir, e aquele que numa entrevista compreende que há muitas coisas erradas em relação às politicas de prevençao e apoio aos seropositivos, que devem ser mudadas. Bem haja por isso Vasco, em meu nome pessoal e em nome daqueles infectados que pensam como eu. Precisamos de pessoas como você, que nos ajudem numa luta inglória, mas que muito lentamente vai dando alguns frutos.
Voltando ao meu raciocinio, a notícia que eu gostaria de ver, seria a da descoberta de uma vacina terapêutica ou preventiva eficaz. Gostaria de uma notíicia da descoberta de um medicamento que eliminasse o VIH do organismo humano.Também ficaria contente com um novo medicamento sem toxicidade, que não provocasse lipodistrofia, que não provocasse danos hepáticos e que não provocasse riscos cardio-vasculares.
Depois da introdução das tri-terapias HAART, a progressão da doença para o estado de SIDA, e consequente morte deixou de se verificar na maioria das pessoas infectadas.
Diziam os médicos que a esperança de vida era superior a 20 anos. Quando começou a haver pessoas sobrevivendo por mais de vinte anos, começaram a dizer que a esperança de vida dos infectados era igual à das pessoas não infectadas.
Ainda não me debrucei sobre o estudo, mas se ele disser que temos mais 13 anos de vida para além do que era dito pelos médicos até esta data, fico contente pois isso quer dizer que a minha esperança de vida como infectado é de mais 13 anos do que a de uma pessoa não infectada.
Poderei dizer "Orgulhosamente Infectado". Quem talvez não vá gostar, é o Paulo que vai ter de me aturar por mais treze anos.
Continuarei a aguardar enquanto viver, a notícia que todos esperamos.


Leia mais sobre esta notícia (pare o movimento com o rato)


Os avanços no fármaco utilizado para tratar o vírus VIH/Sida, conhecido como tratamento antiretroviral combinado (Cart), conduziram a um aumento da esperança de vida dos doentes, verificado no período entre 1996/ 99 a 2003/05, segundo a investigação.

Estes avanços levaram a que o vírus VIH/Sida deixasse de ser considerado uma doença fatal para começar a ser encarado como uma doença crónica, precisamente após a introdução deste tratamento combinado.

No entanto, o estudo, publicado pela Universidade de Bristol, no Reino Unido, alerta para o facto de que a esperança de vida dos infectados com o vírus continua a ser inferior à da restante população, especialmente aqueles que iniciam o tratamento tardiamente.

Para este estudo, os investigadores compararam a esperança de vida e variações na mortalidade em doentes tratados, ao longo de vários anos, com o tratamento antiretroviral, fármaco introduzido em 1996.

O professor Jonathan Sterne, da Universidade Britânica, em conjunto com colegas de outras nacionalidades, examinaram 14 estudos para analisar a evolução de 18.587, 13.914 e 10.584 doentes que iniciaram os tratamentos com o Cart em 1996/99, 2000/2002 e 2003/ 2005, respectivamente.

Um total de 2.056 infectados morreram durante esse período mas os índices de mortalidade desceram, tendo-se registado um decréscimo de 16,3 mortes/ ano em cada mil doentes, no período entre 1996/99, para 10 mil entre 2003 e 2005, uma redução de cerca de 40 por cento no número de óbitos.

Paralelamente, a esperança de vida para um doente que começou o tratamento com Cart aos 20 anos aumentou de um total de 56,1 anos em 1996/99 para 69,4 anos em 2003/05, um acréscimo de mais de 13 anos, de acordo com o estudo.

Nesta investigação foi também descoberto que os doentes toxicodependentes infectados através de seringas apresentam uma esperança de vida menor.


Por seu lado, as mulheres têm uma esperança de vida ligeiramente maior do que os homens, o que pode dever-se ao facto de, normalmente, as mulheres iniciarem mais cedo os tratamentos. (por visao.pt - 25 Jul 2008)

33 comentários:

Coragem disse...

Raul se porventura esses 13 anos de esperança de vida forem com a qualidade merecida eu digo que sim!

Mas eu Raul, não querendo ser mais optimista que ninguém, acredito na descoberta de uma vacina terapêutica ou preventiva eficaz. Acredito até na descoberta de um medicamento que elimine o VIH do organismo humano.

Pode demorar mais que 13 anos, mas a verdade é que acredito.


Até lá vamos ter esperança.

Um beijo enorme para ti

SILÊNCIO CULPADO disse...

Raul
Fico contente por esta divulgação porque nenhuma campanha é demais para uma causa que precisa de todos. Quanto ao facto do jornalista se lembrar de ti, tu és uma pessoa marcante, uma pessoa que saiu reforçada do ponto de vista humano, uma esppírito arguto e lutador que ninguém consegue esquecer.
Vamos ter que te aturar por cá ainda muitos anos (mais que os 13) porque tu és preciso à causa da SIDA e porque a tua força de viver se imporá às doenças.
E ainda bem que assim é porque é com pessoas com essa visão, experiência e capacidade de entrega que poderemos acreditar num futuro melhor.
Abraço. Sempre.

R. Rudoisxis disse...

Coragem
Fico feliz por como eu acreditares, que um dia a cura e ou vacinas quer preventivas quer terapêuticas um dia aparecerão.
Tive amigos que como nós também acreditavam nisso e que infelizmente já partiram. Haverá pessoas que como nós também acreditam e que partirão antes de mim.Outros continuarão a acreditar depois de eu partir.
Que a esperança por nós sentida, continue a estar viva em nossas vidas até se tornar uma realidade.
Vale a pena acreditar.Tudo vale a pena quando a alma não é pequena.E porque o sonho comanda a vida continuaremos a acreditar, porque enquanto há vida há esperança.
Um beijo
Raul

Silvia Madureira disse...

Raul:

Sinto-me pequenina para falar de um assunto tão importante e que merece toda a nossa atenção. Tenho obtido muita informação neste blog sendo completamente leiga no assunto antes de o fazer como a maioria das pessoas.

Apesar de continuar a ser leiga sobre esta doença. há algo que eu considero urgente ser alterado.

A discriminação...mas esta verica-se a "torto e a direito" como tal não me espanta que aconteça nestes casos.

Se não temos uma perna, se não casámos nas datas previstas pelos outros, se não temos os mesmos hábitos que os outros...somos colocados na margem, sofrendo até pressões.

Na maioria da cabeça das pessoas a sida é um bicho papão terrível e as pessoas têm que fugir dos infectados e não lhes tocar senão ficam iguais.

Por muito que nos custe e a mim custa-me dizer isto é assim que a maioria das pessoas olham para um infectado.

Penso que seria necessária fazer entender as pessoas que existem cuidados a ter mas um seropositivo pode e deve ser abraçado.

Esse género de campanhas é que falta em todos os meios de comunicação social.

As pessoas enquanto não estiverem informadas fazem papel de ignorantes e tornam a vida de um seropositivo mais complicada porque tem que lutar todos os dias com a discriminação, a não ser que opte por viver com um segredo sem prejudicar ninguém para não aturar olhares indesejados.

Sinceramente...é o que mais faz falta à população.

Vocês...penso que estão no bom caminho. Têm serenidade, consciência, paz e muito optimismo.
São especiais... no bom sentido.

Quanto às estatisticas da média do tempo de vida, eu como ligada a contas profissionalmente posso dizer que existem muitos erros e tudo depende da amostra que foi recolhida para chegar a brilhantes conclusões. Os estudos Estatísticos apresentam muitos erros e casos de fazer rir...

Uma vez li que fazendo sexo todos os dias a esperança de vida era maior.

Enfim..acredito que tal como o cancro do qual a minha mãe sofre, esta doença não é impeditiva de uns bons largos anos de vida bem passados a rirmo-nos da patetice que nos rodeia.

beijinhos

R. Rudoisxis disse...

Lídia
Eu uma pessoa marcante? Sou apenas um peão no xadrez da vida e como sabes raramente um peão dá xeque mate se não estiver protegido por uma torre, um cavalo ou outra peça importante que o proteja para não ser eliminado.
Acredito na vida, e acredito nos seres humanos mesmo com todas as desilusões que vivi tantas vezes.
Penso nas vezes que desiludi o meu próximo e mesmo o magoei sem me aperceber disso. Sou imperfeito como qualquer ser humano e nunca conseguirei ser um iluminado.Estou numa plataforma onde espero ser teleportado para um mundo melhor,semelhante a um aeroporto onde não há nenhum avião para me levar ao meu destino.
Um beijo
Raul

R. Rudoisxis disse...

Silvia
Fizeste-me rir com o teu comentário
quando falaste em estatisticas e em amostras.
Quando comecei a frequentar congressos e apresentações sobre estudos, ficava espantado como os resultados eram sempre tão bons.Nunca dava atenção ao que aparecia em letras pequeninas e mostrava se ali estava a mediana, a média ou a moda.
Afinal as estatisticas são o que são e valem o que valem. São semelhantes a um ditado português que diz: Com papas e bolos se enganam os tolos.
Há muito trabalho a fazer nesta área e muito do que se fez e se continua a fazer é apenas trabalho de fachada.
Um beijo
Raul

M. disse...

Um bem haja ao jornalista Vasco Lopes por ter destacado o sidadania. O facto de ser recordar da entrevista prova de facto que soube dar a devida importância ao tema. pessoas assim são uma mais valia.

mais 13 anos.. hehe Raul, és todo vivaço e hei-de ver o Paulo a aturar-te mais uns 33. Não esqueças que tens a longevidade nos genes.. e é um gene dominante!


Beijos

Paulo disse...

Raul

Sabes que sou um sentimentalista, chato até... :) Por isso digo-te que adorei este teu post, pelo conteúdo que contém. Representa mais uma esperança pela qual franzo dedos de espera. Gosto muito de viver, aliás todos gostamos e sempre que renasce a possibilidade de vivermos mais, nasce em mim uma enorme alegria.
Gostei muito do Vasco que se refere a ti de uma forma muito especial.
Estou muito orgulhoso e agradeço-te profundamente a possibilidade que me deste de participar neste grandioso projecto que se estenderá em breve a novos desafios, assentes no terreno, onde desempenharemos eficazmente as nossas funções.
Um abraço mais especial do que nunca.

Agradeço também a todos os leitores que nos visitam e que justificam a razão da nossa existência.

Bem hajam.

Fatyly disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fatyly disse...

Raul
Não sabia dessa tua entrevista e tive pena de não ouvir o programa, porque não vejo a RTP e as suas irmãs, excepto se souber que vão dar algum debate interessante.
Depois, li a notícia na integra e imprimi e precisamente ontem, na reunião familiar, eu, filhas e genros estivémos a debater este e outros assuntos e sobretudo por ter "nomes" cientificos, lá fui esclarecida. Às tantas saiu algo assim: estamos a um passo da cura e de uma vacina preventiva, por isto, aquilo, blá, blá, blá:) e pensei logo em vós.

Para já mais treze anos, para muitos o número do azar para outros um número de sorte, mas questionado o nº. exacto(?), os cientistas apontam sempre um número mínimo...e ohhhhhhh Paulooo...vamos aturar o Raul por mais vinte, trinta anos :):):)

Mais dia, menos dia acredito que aparecerá a notícia que "todos esperamos" e até lá este recanto e o outro será sempre uma mais valia, onde todos juntos aprendemos muito.

Um grande abraço Raul e a todos os comentadores

PS:apaguei o comentário anterior por ter um erro de palmatória:)

sideny disse...

raul
mais 13 anos? que bom.
venham eles, e com qualidade de vida.
nao sabia que tinhas ido a televisao, que pena nao ter visto.
bej

M.M.MENDONÇA disse...

Meu caro Raul
Fico feliz por verificar que ainda há jornalistas que se empenham na informação e não descuram a importância social da comunicação.
Quanto a si, meu caro amigo, conto tê-lo por cá muitos e longos anos para com a sua experiência dar conhecer a evolução dos mediacmentos, da prevenção e da qualidade de vida dos infectados com o vírus do HIV.
Um abraço

R. Rudoisxis disse...

Sideny
Não estive na televisão,vê o video e lê o texto outra vez, é o meu castigo :)
Da última vez que estive na televisão tu viste e até me telefonaste lembraste?
Beijo grande e vai regar as plantas.

R. Rudoisxis disse...

Mendonça
Felizmente ainda há bons jornalistas,que se preocupam com os dramas humanos e o Vasco é um deles.
Espero estar por cá até morrer, se ficar para além da morte fisica é sinal que valeu a pena viver,e sou lembrado por aqueles que deram valor a algo que fiz em vida.
Um abraço forte.

R. Rudoisxis disse...

Fatyly
Eu não dei nenhuma entrevista, apenas falaram do "Sidadania" e de mim. Castigo para ti: vê o video de novo, e lê o texto.
A propósito já carregaste no botão de navegação "Lêmos & Gostámos"?
Beijos para ti amiga.
Raul

Nela disse...

Raúl,

Entendo perfeitamente o teu ponto de vista e concordo (dentro do pouco que sei). Mas quando li a notícia, pensei: Fixe! O Raul é um exemplo disso... E fiquei contente...
É pouco, é pobre, eu sei, mas pensei em ti e achei FIXE...

O blog está com um look super fashion!

R. Rudoisxis disse...

Nela
Se disser que o teu comentário foi a alegria do dia para mim, acredita na minha sinceridade. Tenho pensado muito em ti e na tua luta. Tu és uma força da natureza, posta ao serviço dos outros.
O teu blog é que é realmente lindo,e essa beleza não é só no look mas também no conteúdo.
Um beijo grande e lembra-te...é só mais um bocadinho.
Raul

René disse...

Raul
Oh homem você é formidável pela força que imprime em tudo o que diz e escreve. Já há muito tempo que não passava por cá mas vejo aqui um património de trabalho e de conhecimento.
Este jornalista Vasco Lopes ainda é jovem e os jovens são generosos por natureza mas nem todos sabem ou querem preocupar-se com os outros porque estas novas gerações estão «educadas» para serem egoístas.
Tenho lido sobre o VIH e os avanços da medicina. Há cientistas que afirmam que a vacina ainda está longe mas outros acreditam que será num futuro próximo. Não sou predestinista mas acredito que não tardará e que o meu amigo fará posts deliciosos quando isso acontecer.
Um abraço

sideny disse...

raul
peço desculpa não tinha lido o texto bem, ou percebi mal.
as plantas morreram.:))
e verdade eu liguei-te ja me lembro.
castigo cumprido.
bej

R. Rudoisxis disse...

René
Fico imensamente contente por o ver de novo por cá.
Em 2007 estive numa conferência com Rolf Zinkernagel, prémio nobel e cientista de renome da Universidade de Zurique e questionado sobre para quando uma vacina para o HIV disse : Quando trabalhamos uma parte do HIV onde pensamos estar o problema e quando achamos que estamos perto de uma grande descoberta chegamoa à conclusão que estivémos estudando a parte errada.Acrescentou que mesmo não querendo ser pessimista nem daqui a 10,20 ou mais anos encontrarão a solução.
Ouvindo isto de uma pessoa tão brilhante como o Rolf, resta-me a esperança de que ele esteja enganado. O certo para mal dos nossos pecados é que quando estudos promissores estão já em fase adiantada páram de repente.
É uma esperança do tipo sebatianista,que vamos tendo e enquanto não tivermos a arma letal para eliminar o inimigo vamos combatendo-o com as armas disponiveis.
Um abraço e vá aparecendo, gosto de o ver por cá.

f@ disse...

Beijinhos para todos e imenso abraço das nuvens... voltei com abraço e beijinhos a todos

Maria Dias disse...

Oi Raul,

No sábado li no jornal o globo notícias da SIDA...A reportagem era sobre a expectativa de vida das pessoas com o HIV...Diz a pesquisa que com todo o tratamento e avanços nas pesquisas, as pessoas com o vírus chegam a viver até os 70 anos.Acho q já é uma boa expectativa de vida, portanto uma vitória para vocês!

Quero deixar aqui também, o meu parabéns pelo reconhecimento do Sidadania pois, pessoas sérias como vocês com toda a certeza se destacam!

Depois passarei no Sidadania II para ler o Paulo com mais calma.

Abraços em todos e boa semana!

R. Rudoisxis disse...

F@
Andei a passear pelas nuvens e não te vi.Pouca gente anda por lá, pois preferem estar enlatados dentro dos pássaros de aluminio que a todo momento incomodam a nossa tranquilidade com as flatulências que saem dos seus reactores. As meninas simpáticas que nos dão umas sanduiches e com um sorriso nos perguntam...chá, café ou laranjada fazem toda a diferença. Mas agora com os low cost flights em que temos de levar o nosso farnel, as coisas vão mudar. Beijo

R. Rudoisxis disse...

Maria Dias
Só até aos 70? E eu que estava a pensar ir até muito além dos 80,s.
A longrvidade não é o mais importante e o que realmente interessa é que tenhamos uma vida com qualidade e especialmente vivida intensamente.Tenho de falar contigo para me ensinares como posso pôr aquelas musikinhas lindas que tens lá pelo teu cantinho. Um beijo enormeeee

Fatyly disse...

Raul
li sim senhora o texto, mas o video não conseguia ouvir e depreendi que tinhas dado uma entrevista.
Ontem os meus estiveram aqui a fazer não sei o quê, e o certo é que já consegui ouvir e gostei imenso do que ouvi sobre ti e o teu (nosso sfv) blogue. Parabéns e jamais seres considerado "coitadinho".
Força!

Um abraço enorme

Mary disse...

Fiquei impressionada com o vídeo. Chorei pelas palavras dum jornalista que não é frio no trabalho.
A discriminação é fria como o aço e certas atenções misericordiosas doem até à alma porque não deixam de ser formas de discrimimação vestidas com outras roupagens.
Os infectados com o HIV não são coitadinhos nem querem ser coidadinhos, só querem viver e trabalhar como qualquer pessoa e serem tratados com respeito.
Um beijo ao jornalista e um abraço muito muito forte para o meu querido Paulo que sinto como o meu siamês ainda que não o conheça pessoalmente.

R. Rudoisxis disse...

Mary
O Vasco é uma excelente pessoa.Escreve muito bem e ouve as pessoas que entrevista vivendo o drama de cada um.
Retribuo o beijo e abraço que não me deste :), pois só te lembraste do Vasco e do Paulo.
Raul

Mary disse...

Raul
Se eu tivesse um mundo cheio de ABRAÇOS e tivesse que os distribuir, depositáva-os todos a teus pés.
Às vezes não me entendes. É só isso.
Este abraço que te deixo é solitário e amargo mas é só para ti.

R. Rudoisxis disse...

Mary
Entendo pois e se leres de novo vês o meu sorriso, :) :) :).
Abraço solitário porquê amiga? Tens tantos amigos por aqui. O amargo a gente põe açucar, pois a vida quase nunca é como a gente quer. Um beijo para ti e sorri, vais sentir-te melhor.

Maria Dias disse...

Oi Raul!

Quanto a idade(os 70 anos)foi o que li viu?rs...Eu não me imagino vivendo muito mais que isso!Ao menos por enquanto...Agora tu me fizeste rir!Quero viver até no máximo 80 anos...Sim!A qualidade de vida é tudo amigo(também penso assim!).O q adianta viver tanto tempo mas cheio de probleminhas...Não sei, me acho tão esquecida não me imagino uma velhinha com boa memória por exemplo!rs...

Beijinhos e boa noite!

Odele Souza disse...

Viver até os 70, 80..... Sabemos que quanto a isto, apenas "filosofamos", pois a vida é tão imprevisível, tão misteriosa, tenho que dizer, por vezes acho a vida muito injusta.

Mas apesar disso, estamos aqui para viver e não apenas passar ou passear pela vida. Mas sentí-la de forma intensa. E essa intensidade no sentir da vida é ela própria que por vezes nos exige. A vida é tão imprevisível. Quem de nós vai se "desconectar" primeiro? Quantos não infectados que circulam por aí esbanjando saúde morrem antes daqueles que com Aids têm a vida mais frágil?

Assim como Raul tenho esperança numa vacina que venha de uma vez por todas eliminar esse maldito virus. Tenho esperança também nas células tronco para entre outras coisas regenerar neurónios danificados por acidente ou seja lá porque tenham sido destruidos.
A esperança é uma mola que me move todos os dias, todos os dias...

Fiquei contente ao ler sobre a atitude do jornalista para contigo Raul. As pessoas da mídia parecem não ter noção do quanto poderiam atuar e ser úteis às causas sociais. Bastariam algumas palavras colocadas em seus veículos de comunicação, desde que fossem palavras ditas e repetidas com certa frequência, para que nossas causas não caissem no esquecimento.

Um abraço forte Raul.

R. Rudoisxis disse...

Odele
O importante é viver cada momento intensamente, sem que a nuvem da morte paire sobre as nossas cabeças. Vida com qualidade e feliz,se bem que por vezes devido aos fantasmas que criamos não consigamos a felicidade que desejamos.
A mola que nos ajuda a prosseguir através da esperança, por vezes está pasmada e é preciso esticá-la para lhe darmos força de novo.
Infelizmente os midia dão a noticia,e ela esgota-se e cai no esquecimento.Sentimos que é uma injustiça, mas se pensarmos bem onde há justiça?
Felizmente alguns profissionais da comunicação vestem a nossa camisola e lá nos vão ajudando, mas são tão poucos para que o grito de cada um seja ouvido.
Um abraço ainda mais forte para ti amiga.
Raul

Louise disse...

Raul
Mais 13 anos de vida... Mas alguém sabe a duração da vida ainda que ameaçado por uma doença que se veste negro?
A vida é para quem tem força anímica para superar a dor seja ela moral ou fisica. Sejamos pois amigos de quem sofre para que o nosso sofrimento seja também apaziguado pelos nossos amigos.
Acredito na cura do HIV e acredito que, como esse jornalista preocupado com a parte social do que observa e descreve,outros virão.
É tempo de semear para que a colheita seja promissora.
Bjs