Reflectindo...


Momentos que vêm e passam e constituem o registo de uma vida.
Tendencialmente complicamos o fácil e a comunicação mirra e distorce na vã esperança de sairmos vencedores em pelejas sem sentido.
Por vezes vestimos a pele de vítimas em causas que o não são, apenas pelo prazer de o ser.
Rodeamo-nos de adeptos que em claque façam soar as trombetas em sonoro confundir do pensamento racional.
Cultuamos inverdades e subimos à ribalta querendo o ofuscante brilho das luzes só para nós.
Somos afinal o produto de matéria imperfeita que se desfaz no curso de uma vida.
Recordamos um dia que nos marque pela positiva e outro desfezado cronológicamente, um ano que nos marque pela negativa. Misturados anulam-se e dependendo da positividade de cada um, só o eleito sobrevive.
Afirmamos não usar máscaras esquecendo que somos actores e plateia em simultâneo e que o show tem de nos agradar apenas a nós, guardando o segredo para que ninguém saiba.
Arde a pólvora em explosões estridentes e iluminam-se os céus na magia colorida dos fogos de artifício e logo a seguir vem a penumbra e o silêncio da noite.
Momentos de reflexão no final de mais um ano e o desejo de um balanço positivo no virar de mais uma página do livro da vida. Que todos possamos encontrar a felicidade no próximo ano que se inicia e que esta se perpetue são os votos que aqui deixo expressos.
A vida é uma aprendizagem constante e é necessário mesmo nos momentos mais escuros acendermos a candeia que em segurança nos guie, sem tropeços pelas vielas da vida.
Adaptando o pensamento de um homem brilhante cujas palavras se eternizaram, que possamos ser perdoados pelos nossos erros e que possamos aprender a perdoar os erros que contra nós outros cometeram.
Que possamos viver cada minuto intensamente em paz connosco e com os que nos rodeiam, não só em 2010 mas por todos os anos que somam o registo de uma paragem no planeta que nos hospeda.

11 comentários:

. intemporal . disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Brancamar disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
f@ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fatyly disse...

A vida é uma aprendizagem constante e é necessário mesmo nos momentos mais escuros acendermos a candeia que em segurança nos guie, sem tropeços pelas vielas da vida.
.............
fazendo minhas estas tuas palavras, recebe com muito carinho e sinceridade um abraço, extensível à tua família para que no novo ano continuemos a ter coragem de "acender" a nossa "candeia" e a dos outros.

Maria Dias disse...

Oi!

Não poderia esquecer de vc né?Olha, vim te dar um abraço bem apertado e te desejar muita paz interior viu?Vc tem feito falta volte para nós!

Votos de um feliz 2010 com muitas realizações...

Beijo!

Ângela Coelho disse...

Raul! Sábias palavras pois sabes muito bem colocá-las no papel.
Que 2010 nos traga sonhos e realizações e que saibamos perdoar e agradecer.
Beijos no teu coração.

Julio Carrancho disse...

E um feliz Ano Novo para ti, Raul & família, bem como para todos deste blog, com saúde para dar e vender, como diz o povo! Júlio. Joanesburgo.

sideny disse...

Ola Raulito

Desejo/te umas boas entradas em 2010, para ti e para os teus.

Beijocas

M. disse...

2008…2009… e cá continuamos, onde sempre estivemos.

as pausas são necessárias por muitas razões, para renovar, para recomeçar, para conhecer novas paragens. Essencial foi nunca termos parado. Portanto 2009 acabou por ser um saldo positivo mas este saldo é desconhecido, não está à vista, não é acessível, é essência de nós próprios e partilha-se apenas com os eleitos. Vem aí mais, muito mais, para o ano que se aproxima. Aguardam-se as novas aventuras fora do virtual ilusório onde os momentos de glória são intensos mas rebentam como um balão de gás nocivo. Quebra-se o pedestal, caem as máscaras e… a essência à vista. Ai credo! Era tão dourado que ofuscava! O estrago é imenso. Irreparável? Talvez não. Existe a cola da sinceridade. Existe a cola da hipocrisia. Doa a quem doer, não sei fingir nem o farei nunca e tu sabes disso. Tudo isto para te dizer também que às vezes és um grande chato mas a minha estrada em 2010 continua a ser ao teu lado e para 2011 logo se vê. Que eu nunca fiz premonições. Só algumas, admito, mas salvei-me a tempo. Ainda não te agradeci teres incluído a minha pessoa no teu projecto, que está um verdadeiro mimo e que merece brilhar pois é um trabalho árduo e apaixonado. Não te agradeci as vencidas constantes da distância e as excursões que me proporcionaste a inúmeros mundos muito dos quais eu desconhecia completamente. Não te agradeci o almoço de anteontem (risos) porque estava tão bom que saboreei ao máximo todo o ambiente… enfim, não te agradeci o mais importante que é ter-te como amigo e só por isso, sou uma pessoa cheia de sorte. E sabes como estou orgulhosa da tua escrita. Sim Raul, e tenho quem o confirme, tornaste-te um escritor e ganhaste o teu estilo próprio sem imitares ninguém, sem rodeios e com a clareza de uma escrita com sentido. E tens a virtude que falta a tantos, sobretudo neste mundo que é a blogosfera: não espiolhas a vida dos outros nem uma única vez te vi num conflito no meio das letras. Não te fizeste de vítima para angariar fundos. Não choraste com a desculpa de te terem tirado o rebuçado para que te viessem trazer um saco deles. Quando se lê a alma neste patamar, a eternidade é garantida. O resto são… pétalas de mal-me-quer.

Um brinde à meia noite, à verdadeira amizade. Um beijo.

gaivota disse...

reflectindoooooooooooooo
desejo-te um feliz ano 2010, com muita saúde e paz!
beijinhos

R. Rudoisxis disse...

Não podia deixar de agradecer todos os comentários aqui deixados e estendo esse agradecimento aos que me leram e não deixaram gravada a sua presença. Aos comentadores que eventualmente venham a deixar o seu registo no futuro fica também o meu obrigado. Que 2010 possa ser um ano diferente e desejadamente melhor.
No balanço de cada ano que soma a nossa passagem por este mundo há sempre um saldo positivo. Cabe a cada um de nós encontrarmos os ganhos em conhecimentos e experiência de vida adquiridos. Um abraço e a certeza de continuidade enquanto o sopro da vida estiver em nós.