Os proveitos da SIDA


Dos males o menor, explana a expressão inequívoca da sabedoria popular, na tentativa acertada de minimizar o sofrimento a que possamos estar sujeitos, pelas causas mais variadas.

Diariamente, em todo o mundo, são identificados resultados positivos para o VIH e divulgados às vítimas da pandemia. O mundo desmorona-se de uma só vez em poucos segundos, perdem-se expectativas e a angústia instala-se por tempo indeterminado.

O tempo, apaziguador de todos os acontecimentos, poderá permitir o cumprimento do luto obrigatório e a possibilidade de renascer. O erguer é por etapas, com avanços e retrocessos, mais ou menos rapidamente.

Esse tempo passou por mim também e se fizer uma retrospectiva desde o dia em que soube estar infectado, poderei concluir que fui ultrapassando várias etapas, características de quem num ápice foi ao fundo, para se levantar aos poucos e prosseguir a caminhada.

Ultrapassei a dor e o sofrimento, venci a revolta e aos poucos fui aceitando a minha nova condição serológica, na missão que por parecer impossível, me deu forças acrescidas para ganhar tempo à SIDA, combatendo-a com a vida.

Tornei-me numa pessoa diferente, que sinto mais humana, mais atenta ao sofrimento de tantos, que, tal como eu, também sofrem seja porque motivo for. Continuo a não ser melhor ou pior que ninguêm, por continuar a ser alguém. A pessoa humana é sempre um pessoa de merecimento, no que diz respeito ao direito à vida e à felicidade.

Os proveitos da SIDA, fomentam-nos o propósito de podermos ser maiores em essência, em conteúdo. Ser maior em humanidade, ser maior na partilha, ser maior no entendimento, na aceitação e na vontade com que vivemos de dentro para fora, oferecendo ajuda, sem quaisquer receios. A ironia revela o ser mesquinho.

Os proveitos da SIDA sugerem viver agora mais do que nunca, pela retratação instantânea do efémero. Viver de pequenas coisas, que nos tornam grandes, viver de grandes atitudes em pequenos actos.

A recompensa assenta na consolação que obtemos pela utilidade com que presenteamos os nossos dias e permite-nos viver mais e melhor, porque a vida que conquistamos é firme na missão a que nos propomos a cada dia que passa.

Os proveitos da SIDA conferem proveitos à vida, e por cada vida que valorizamos, acrescemos o sentido de viver e somos nós próprios, parte integrante da nossa terapia, na medida em que, estamos a contribuir para o nosso sustento e a conquistar forças ocultas arrecadadas pelos dias de outrora e agora necessárias mais do que nunca.

As balas químicas que diariamente disparamos sobre a nossa existência corpórea, promovem a prorrogação da pena capital e validam-nos como seres humanos, úteis e prestáveis, pois por cada vida que prolongamos, dilatamos a nossa vida na mais nobre substância.

22 comentários:

sp disse...

Apenas deixo um abraço peludo e singular...

Brancamar disse...

Obrigada Paulo, por mais um texto tão sensível e esclarecedor.
Beijinhos.
Branca

Paulo disse...

sp

Agradeço e retribuio o abraço, sempre peludo e singular.

Obrigado pela visita.

Paulo disse...

Branca

Obrigado pela visita.

O texto pretende ilustrar os meus sentires, no decorrer do tempo.

Beijinho enorme.

Fatyly disse...

Um texto magnífico e sentido. Li nas entrelinhas que não é fácil, claro que não é, nunca foi, nunca será, mas a vida é feita dessa mistura de momentos maus, médios e bons.

"O tempo, apaziguador de todos os acontecimentos, poderá permitir o cumprimento do luto obrigatório e a possibilidade de renascer. O erguer é por etapas, com avanços e retrocessos, mais ou menos rapidamente."

e com isto dizes tudo, porque acima de tudo...ter os pés bem assentes na terra, sorrir e aproveitar tudo enquanto seres vivos.

Parabéns pela teu desabafo tão lúcido e real!

Um abraço sincero e há que ter pensamento positivo.

Paulo disse...

Fatyly

Como sempre, entendes e sentes o que pretendo transmitir nas minhas palavras.

Obrigado pela dedicação com que nos presenteias diariamente, com a tua presença aqui, sempre lúcida e amiga.

Um beijinho.

Biby disse...

Olá Paulo!
Gostei muito de ler este post por tratares de um conceito que em psicologia se designa por Resiliência ou seja a capacidade que algumas pessoas tem de vencer as dificuldades e os obstáculos, por mais fortes e traumáticos que eles sejam.

Um beijinho especial
Biby

Paulo disse...

Olá Biby

Feliz com a tua visita.

Obrigado pelo que me ensinas quanto à denominação do conceito que empiricamente relato no texto.

Agradeço a tua visita e deixo-te também um beijinho especial.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Paulo
Tudo na vida tem um lado e outro lado. Mesmo as coisas ruins têm o seu lado positivo porque é em situações difíceis que as pessoas se conhecem, e se reconhecem, e desenvolvem capacidades muitas vezes ignoradas.
A intensidade dos momentos e o tempo psicológico acresentam a vida e dão-lhe por vezes outra dignidade e magnitude.
Delicio-me a ler-te e orgulho-me da pessoa que tu és, linda e sensível embora com a sombra do medo a pairar nos teus dias. Não tens que ter medo Paulo. Tu és mais forte que a maioria e, pese embora os handicaps dos medicamentos, os avanços da ciência nesta área não páram de suceder-se.
Um dia estarás curado e faremos uma grande farra. Que me dizes?
(Ponho de fora o Raul porque para marcar o tal almoço, está quieto).
Beijos

M. disse...

:)

Apenas digo que para mim é escusado ensinares-me o que eu vi em ti desde o ínicio.

Ainda tens barreiras pela frente, e depois? Nunca estás sózinho.

Beijos de mar e sol

Paulo disse...

Lídia,

Obrigado pelo comentário, pela exposição de esperança, que recebo de si, que para mim tem toda a credibilidade.

O Raúl só funciona sob a forma de ultimato! Caso contrário, almoçamos nós e trazemos-lhe algo num pequeno tupperware, se nos lembrarmos, é claro. :))

Um beijo e um abraço apertado.

Bom fim de semana.

Paulo disse...

m minha

Pois a principal barreira é não encontrares o teu telemóvel dentro da mala, caso contrário, não haveria barreira nenhuma...

Beijo enorme agora que a saudade começa a apertar.

:))

SILÊNCIO CULPADO disse...

Paulo
És um génio. Almoçamos nós e levamos-lhe o almoço.

Beijos

sideny disse...

ola
entao ainda nao conseguiram ir almocar com o raul?
o homem e dificil!
ou esta a fazer-se dificil :)
olhem o cafe comigo:))
beijinhos

Paulo disse...

Lídia

Fica combinado. Eu telefono a marcar o almoço. Por motivos profissionais, ao fim-de-semana será mais cómodo para mim...

Abraço apertado

Paulo disse...

Sideny

O café contigo sim !!!

Nunca nos esqueceriamos !

Beijoka e ...

Bom fim de semana.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Paulo
Fica combinado.

Beijos

Maria Dias disse...

Oi Paulo querido...

As vezes, tiramos proveito de situações difíceis...Pela vida,conheci algumas pessoas q após passarem por
tragédias pessoais, se tornaram seres humanos bem melhores.Acredito q quando passamos por dificuldades, dependendo do grau da dificuldade, se mergulha no fundo do poço sim e se conseguimos subir a tona(chegar no alto novamente)e nos descobrimos vivos após a quase morte, a forma de ver a vida, pode mudar sim e para melhor.Pq neste mergulho no fundo do poço...Nas águas turvas de nós mesmos, fizemos grandes descobertas...E a principal descoberta é a nossa verdadeira essência talvez esquecida há muito tempo.Muito bom este texto escrito do fundo de seu coração.

Beijos para ti e para todos que passarem por aqui!

Maria Dias

mariam disse...

Olá!
excelente e esclarecedor post, em jeito de desabafo...
a vida vale sempre a pena...
contingências, ele as há, mesmo para quem aparenta não ter problemas...

Gostei de voltar aqui e do seu testemunho

cheguei das abençoadas férias, voltarei aqui de novo para ler os outros posts...

boa semana
um sorriso :)

mariam

Paulo disse...

Maria Dias

ADOREI o teu comentário.

Em algumas palavras, caracterizaste algo que é tal qual assim e eu sinto-me exactamente dessa forma.

Beijos para ti e muito obrigado!

Paulo disse...

mariam

Bom regresso. Folgamos muito por a termos aqui, a tomar conhecimento daquilo que nos vai na alma.

Boa semana para si também.

Outro, sorriso. :)

ManDrag disse...

Salve! Paulo, o Guerreiro
A Vida é apenas para aqueles que querem viver. Os outros limitam-se a existir.
E os que escolhem a Vida oferecem o peito às farpas e a alma às chagas. Esses sabem que cada milímetro calcorreado sabe a fel e a mel.
Ergamos nossa espadas à Nobreza de Ser-se Humano!
Salutas!