Gente "ConheSIDA"

Quando fui diagnosticado HIV positivo tive oportunidade de ter uma longa e proveitosa conversa, com a enfermeira que trabalha com o meu médico assistente, acerca da infecção, das caracteristicas da patologia, do seu prognóstico actual e dos efeitos que a mesma produz na vida das pessoas infectadas. Fui questionado acerca do meu modo de estar vida, das minhas relações afectivas, dos meus laços familiares, do meu circulo de amigos, enfim, da forma como vivo em sociedade. Ao tomar conhecimento de tudo isto, a enfermeira olhou para mim, suspirou de alivio e disse-me que um dos grandes problemas associados à infecção, não se colocava no meu caso. Estupefacto, olhei para ela, e esperei que me dissesse qual seria o grande problema, ao qual, felizmente, eu não estava, nem estou sujeito. Foi então que me relatou, que existe um grande número de portadores do HIV, que são levados ao afastamento, ao isolamento e à solidão. São abandonados pela familia, pelos amigos, pelos companheiros do dia a dia, em suma, por tudo e por todos. Muitas das vezes, e mesmo que isto não aconteça, são os próprios portadores do virus, que, pelo trauma da infecção, desistem de viver naturalmente, afastam-se, isolam-se, e permanecem solitariamente, sofrendo em silêncio, esperando unicamente pelo dia da execução, desejando até, nalguns casos, que esse dia chegue o mais brevemente possível. Fazem o tratamento retroviral, apenas como o cumprimento de uma obrigação, e porque não possuem a coragem forte e dura, de acelerar a morte anunciada ou por consideraram que isso possa ser um pecado mortal.A infecção pelo HIV, na sua vertente social, assemelha-se um pouco à vivência da chamada terceira idade, onde as pessoas, se tornam um fardo para a sociedade e até para a familia, sendo deitadas ao abandono e em que todos desejam, mais ou menos subtilmente, que Deus se lembre delas, pois já viveram o suficiente.Acontece porém, e infelizmente, que a infecção pelo HIV atinge pessoas de todas as idades, e atinge um grande número de pessoas jovens, muitos jovens até, não obstante o facto, de cada vez mais atingir também pessoas de idade mais avançada. Assim sendo, teremos sob o ponto de vista social, todos os infectados a viverem uma verdadeira terceira idade antecipada, na medida em que, se por um lado a própria patologia, pareça indicar uma vida mais curta, mais efémera, o que cada vez mais, é menos verdade, felizmente, por outro lado, o afastamento, o isolamento e a solidão a que se sujeitam, promovem decerto uma vida terrivelmente curta no espaço, mas demasiado longa no tempo, pelo contar frenético de horas, minutos e segundos, até que a vida passe, definitivamente.Pretendo com este texto apelar a todos os infectados para que mudam rapidamente de atitude. Rapidamente não, mas sim, já! A infecção pelo HIV, desde que se encontre devidamente controlada pela Medicina, é uma patologia sem sintomas, sem restrições de maior, onde cabe a cada um, o simples acto de tomar todos os dias a medicação, efectuar as análises periodicamente, comparecer às consultas de rotina e viver uma vida saudável, que não promova o desenvolvimento de outras patologias de maior ou menor gravidade. Existem doenças muito mais limitativas e não será obviamente por isso que as pessoas se afastam e se isolam, antes pelo contrário, procuram apoio. Porque haverá de ser assim nesta patologia? Provavelmente, devido à discriminação, ao estigma e à ignorância da sociedade. No entanto, muitos dos infectados também se auto-discriminam, se auto-estigmatizam, se afastam e se isolam, contribuindo para a manutenção do comportamento colectivo já existente, do conhecimento de todos. É preciso continuar a viver, continuar a promover amizades, continuar a amar, continuar a sermos aquilo que sempre fomos até ao dia do diagnóstico. Para isso, é preciso sair do luto, do isolamento, da solidão, é preciso que haja muita gente "conhesida" disposta a viver a vida, a soltar gargalhadas estridentes, a fazer amigos, a procurar o amor, a lutar pela constituição de uma familia forte e coesa. Eu estou aqui, mais uma vez, de braços abertos e mãos estendidas, a todos que de mim precisem, pretendendo ser apenas um, entre tanta gente "conhesida" por forma a que possa valer a pena, agora mais do que nunca, viver com toda a intensidade, esta nossa vida com Sida, para que a Sida nos possa dar, cada vez mais, uma longa e uma melhor forma de estar na vida.
Ex-Caloiro (Posithivo)

23 comentários:

Zé "Prisas" Amaral disse...

Segundo o nosso amigo Zé Amaral, pior que não lutar é desistir.
E a maior parte desta malta do nosso Palacete é o que faz. Também por ignorância, comodismo e um total desinteresse na reabilitação.
Ainda assim, com o que temos aprendido com todos vocês temos safado alguns.

O Núcleo Duro está do vosso lado.

Bruno Miguel Martins

São disse...

Gosto da coragem e da força de avançar, sem auto-comiserações.
Consequentemente, os meus parabéns sinceros por esta atitude digna e lutadora perante a adversidade!
Bem haja!

Odele Souza disse...

Um texto com uma preciosa mensagem positiva. E ser positivo é importante em situações difíceis, de dor, desamparo, desamor, preconceito.... Está dífícil? Se formos negativos, do contra, e sempre de "baixo astral", vai ficar mais difícil, vai ficar pior ainda. Portanto, vamos ser pra cima, "altro astral" e como sugere o texto, ", saia da solidão, procure pessoas,cultive amizades, não reclame, AME!.
E assim como autor do texto, não fique só, não se isole, estenda braços e mãos em direção ao outro.
Abrece e se deixa abraçar. Ame e se deixe amar.

Um abraço.

Fatyly disse...

Na vida nada se consegue no virar das costas mas aceitar, pular, contornar os mil e um obsctáculos e este testemunho é a prova viva que tudo se ultrapassa com esperança, força e frontalidade. Parabéns

Toma lá um grande abraço sincero

SILÊNCIO CULPADO disse...

Este é um espaço de excelência que passei a visitar regularmente. Gosto da forma positiva e didáctica como este espaço funciona e penso que é importante divulgá-lo o mais possível. Linkei-o no Silêncio Culpado mas penso que se deverá fazer algo mais para divulgar o espaço. Convido-te a fazeres um texto sobre a igualdade de oportunidades e as pessoas com sida para eu pôr a debate no Silêncio Culpado. Convido-te também a participares num blogue solidário que eu tenho em parceria com mais 3 blogues, O SOL POENTE. Estou à vossa inteira disposição para, numa confraternização aberta, informar e esclarecer e cultivar a amizade sem preconceitos absurdos.
Um abraço
Lídia Soares - lnsoares@aeiou.pt

Anónimo disse...

Obrigado Bruno, Obrigado Odele, Obrigado Fatyly pelo Vosso Abraço sincero. Preciso dele, como de pão para a boca. Estou também solidário com as vossas causas, que são também causas minhas. O meu profundo bem haja.
Ex-Caloiro (Posithivo)

Isabel-F. disse...

Oi Ex-caloiro,

"É preciso continuar a viver, continuar a promover amizades, continuar a amar, continuar a sermos aquilo que sempre fomos até ao dia do diagnóstico."


gostei de te ler ...parabéns pela mensagem positiva que passas ...

bjs

Biby disse...

Olá!
Focou um aspecto que é muito pertinente. Muitas vezes a pessoa ainda não tem sintomas e ao receber o diagnostico do VIH sente-se logo "doente" e a "morrer". Muitas desistem antes mesmo da verdadeira luta ter começado. A esperança deve ser a ultima a morrer,podem surgir novos farmacos, quem sabe um dia a cura... nunca antes outra doença desencadeou tanta investigação cientifica.
Até lá com o devido acompanhamento podemos tornar o VIH/SIDA uma doença cronica e viver com boa qualidade de vida.
O vosso testemunho pode fazer a diferença na vida de pessoas que só agora iniciam esta jornada de Sidadania...
Muita força!
Beijinhos de alguem que se sente solidária com a vossa causa.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Muitas vezes as representações que temos da doença e os preconceitos que estupidamente se incutiram, pesam muito mais que a doença em si que até, comparativamente com outras, não será muito limitativa.
É preciso acreditar e lutar para que a vida seja mesmo viva e possa ser vivida em plenitude.
Um abraço

Posithivo disse...

Obrigado a todos mais uma vez pelas Vossas palavras de apoio, pelos abraços em forma de laço que me acompanharão para sempre. De braços abertos e mãos estendidas, contem comigo, da mesma forma, em como conto convosco.
Abraços

O Guardião disse...

A coragem tem que ser uma constante da vida em todos os casos. Nuns casos será mais difícil do que noutros mas é indispensável.
A mensagem positiva aqui deixada é a melhor maneira de sensibilizar quem não conhece esta realidade de perto.
Cumps

amigona avó e a neta princesa disse...

Muito obrigada pelo excelente post e pelo que nos ensinas e alertas...a discriminação é muita mas a ignorãncia ainda é MAIOR! Um abraço...

sol poente disse...

Sou um blogue solidário e estarei aqui para vos apoiar.
Um abraço apertado

NINHO DE CUCO disse...

Já fiz um post em MOENDO CAFÉ http://moendocafe.blogspot.com e na barra lateral do SILÊNCIO CULPADO http://silencioculpadoblogspot.com

Beijinhos

Mocho-Real disse...

Estive aqui há umas boas horas atrás e pergunto-me se o comentário que deixei terá entrado, pois não o vejo publicado.

Um abraço.
Jorge G de O Sino da Aldeia

JOY disse...

Boas Ex-Caloiro

Parabéns pela tua coragem em compartilhar com a sociedade a tua história ,possuis a coragem e o espirito positivo necessário para enfrentar essa luta da qual não tenho dúvidadas tens tudo para sair vencedor.Se não te importas vou linkar este blog no meu espaço e assim dar o meu contributo para que a ostrasização dos doentes com HIV termine de uma vez por todas .

Um abraço
JOY

Olá!! disse...

Junto-me neste abraço e sei que não virei sózinha...
Beijosssssss

ABEL MARQUES disse...

Aceita o meu abraço, amigo. Aqui me encontrarás quase todos os dias. Contigo caminharei sempre.

C.Coelho disse...

E mais um abraço, o meu.

Silvia Madureira disse...

Olá:

Parabéns! É mesmo da forma que aqui está descrita que deves agir...

E a forma como encarámos uma doença ajuda imensamente à nossa recuperação ou à vivência com a doença...

A minha mãe tem um cancro...isso não a impede de ser feliz...Mais...ela sempre teve muito optimismo e foi este factor que a empurrou para a vida...

Continua aqui...ao meu lado...

Nunca desistas de viver, espera que a vida desista de ti...mas faz-lhe frente, luta ...porque está nas tuas mãos ter um dia a dia feliz...

Nós vivemos um dia após o outro, amanhã posso ter um acidente e morrer...NINGUÉM sabe qual a duração da sua vida...

TU também não...vai em frente e vive o dia a dia de cabeça erguida como realmente mereces...por teres uma doença não és um criminoso...és um ser humano no qual o coração permaneceu intacto.

um beijo de coragem

Olá!! disse...

Olá, estive a ler a tua entrevista no Silêncio e gostava de saber porque queres tirar aquela pergunta/resposta... ou estou a ser muito cusca??? ;)))
beijos

Lusófona disse...

Olá Ru2x!!

Estou levando este texto para o meu blog, ok?!

Beijinhos

Lusófona disse...

Obrigada. Quando eu levei o texto, levei também as imagens para colocar no blog ;)

Já está!

Beijinhos